Densidade mercado de seguros brasileiro 2010-2018

13 Dezembro, 2018 Por Jessica

Entenda o que é densidade de seguros e veja sua evolução no tempo!

A densidade do mercado de seguros é um indicador indispensável para observar a importância no setor dentro de determinada economia nacional. Ela é dada pelo prêmio emitido total dividido pela população economicamente ativida do país.

Por meio desta métrica, é possível estimar quanto cada indivíduo consome de seguros no país em média.

Por se tratar de um valor médio extraído a partir da população economicamente ativa, a densidade não reflete como o consumo de seguros está distribuído: Em economias mais desiguais, como a do Brasil, o consumo de seguros se concentrará em famílias de maior renda. Para apreender este tipo de “concentração do consumo” seria necessário outro estimador, que não a densidade que trataremos aqui. Portanto, é importante considerar que a densidade é um estimador que não diz quem está consumindo seguros, mas sim:

  • Se uma população está consumindo mais ou menos seguros, em média, no tempo;
  • Se a população de um país consome mais ou menos seguros que a de outro país;
  • Entre outros pontos que tratarems em outros textos.

Por sua simplicidade e poder de comparação entre economias e no tempo, a densidade é um estimador usado mundialmente.

Neste texto trarei para vocês a evolução da densidade de seguros de 2010 à 2018 (dados parciais, deste último). Trata-se apenas de uma introdução do leitor ao assunto. Posteriormente aprofundarei neste indicador, mostrando as informações que ele pode trazer quando observado a luz de outras variáveis como ramos de seguros, seguradoras e regiões.

Vamos lá!

Densidade de seguros no Brasil: 2010 a 2018

Quando observamos a evolução da densidade dos seguros no Brasil, nota-se uma tendência de crescimento real1 de 1995 à 2015.

A tendência de crescimento é interrompida a partir de 2016, sendo necessário investigar a origem desta inversão.2.

Na Tabela 1 você confere a densidade anual para todos os ramos, ou seja, quanto cada brasileiro economicamente ativo dispendeu, em média, com seguros naquele ano. Importante ressaltar que os números consideram todos os ramos, inclusive ramos empresariais. Portanto, a rigor, a densidade está superestimada sendo necessário excluir dali ramos essencialmente empresariais, para de fato refletir o consumo médio das famílias.

A coluna com densidade em dólar foi calculada com base na cotação dólar-real de R$3,89 do dia 13/12/2018. Para um cálculo mais preciso em breve atualizarei essa informação considerando a cotação dolar-real de cada ano.

Tabela 1 – Densidade todos ramos seguros Brasil 2010 à 2018
ano Densidade Densidade (US)
2010 753 194
2011 820 211
2012 950 244
2013 997 256
2014 1.050 270
2015 1.077 277
2016 1.090 280
2017 1.075 276
2018 679 175
a Elaboração: Data Insurance

Questões levantadas

Esta queda a partir de 2016 está estreitamente relacionada a desaceleração do setor. Porém, levante questões tais quais: A queda foi maior ou menor entre os grandes ramos (vida e não-vida)? Todas as regiões do Brasil sofreram a mesma queda? Quais seguradoras participaram mais ou menos dessa queda? Há correlação entre a diminuição da densidade e a a taxa de sinistralidade?

Em futuros textos pretendo trazer análises sobre questões como esta. Acompanhe 🙂


  1. Todas as séries deste texto foram deflacionadas pelo IPCA mensal disponibilizado pelo IPEA
  2. Ambos cálculos de densidade do Painel 1 foram feitos com base em dados do SES e do IPEA. Para cálculo da densidade mensal foi feita interpolação linear da população, na medida em que a base do órgão era anual e não mensal